Papos sobre literatura, séries, cinema e mais.

domingo, 1 de maio de 2016

Títulos de heroes aquecem vendas nas livrarias

Parece que a febre de livros hot e para colorir deu espaço para uma verdadeira perseguição aos títulos das HQ (history quest).

Espero poder ver o Aranha de Ferro nas telonas em 3D

Estimuladas pelos Dead Pool e Batman vs Superman, e agora o filme Capitão América: Guerra Civil, editoras que lidam com o filão de super-heróis aproveitaram o momento e principalmente a demanda para colocar nas livrarias produtos ligados à trama das histórias em quadrinhos, com foco na Marvel.

Uma das mais esperadas é a edição de luxo da série em quadrinhos, publicada pela primeira vez no Brasil pela Panini em 2010, e difícil de encontrar nas principais lojas do país desde o início do ano. A editora de quadrinhos fará uma nova impressão do especial com capa dura e miolo couché, que chega às lojas ainda este mês. Uma nova leva já está prevista para ser distribuída em maio. O preço sugerido da publicação de 208 páginas é 60 reais. (Está com desconto nesse momento na Amazon)

Já os interessados no que acontece depois da Guerra Civil (pelo menos na literatura), a editora Novo Século lançou nesta semana o livro A Morte do Capitão América (tradução de Paulo Ferro Junior, 352 páginas, 39,90 reais), com tiragem de 15.000 exemplares, e trama adaptada da série em HQ, publicada entre 2007 e 2008.


A adaptação escrita pelo autor Larry Hama narra, como diz o título, a morte do herói Capitão América, a principal consequência da Guerra Civil nos quadrinhos. A agente e namorada do Capitão, Sharon Carter, e o amigo Bucky Barnes, são os narradores da trama, que intercala o ponto de vista dos dois, enquanto acompanha o grupo de vilões liderados pelo Caveira Vermelha, arqui-inimigo de Steve Rogers desde sua criação, nos anos 1940.

No ano passado, a casa colocou no mercado o romance em prosa Guerra Civil, que se tornou best-seller e ficou entre os quinze livros mais vendidos do ano no país, com 30.000 exemplares comercializados. Apenas esse começo de ano (Janeiro/Março) o faturamento da venda de quadrinhos está 19% a mais do que o mesmo período no passado, o que equivale a 38% das vendas do mescado literário até agora para este ano.


Estarei conferindo o filme está semana e logo logo teremos um post comparativo da Guerra Civil dos quadrinhos com o da telona. Aguardem.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos sua visita. Confira outros posts sobre este assunto. Deixe aqui o seu comentário, crítica, sugestão. Curta o Um Fílosofo na Web no Facebook e siga no Twitter ou Instagram. Obrigado!

: PARCEIROS :

Grupo Editorial Autêntica

Editora Novo Conceito

Seguidores