Papos sobre literatura, séries, cinema e mais.

quarta-feira, 6 de agosto de 2014

Resenha - Bandeira Negra, Oliver Bowden

Só uma curiossidade, o mais correto séria Vela Negra.
O livro em forma de diário (provavelmente de bordo) apresenta o cenário e sintua o leitor na cabeça de Edward Kenway, um jovem camponês de Bristol, na Inglaterra no termino século XIX. Edward carrega o nome dos Kenway, um nome honesto e honrado de comerciantes e criadores de ovelhas. Na modesta propriedade do pai que asprira que o filho herde e assuma os negócios da família como tem sido a tradição. Porém, Edward aspira uma vida mais luxuosa e com maiores possibilidades que a vida na fazenda lhe oferencem, suas fugas para as tabernas o acalmavam com mulheres libertinosas e dezenas de canecas de cerveja, juntando isso ao seu pávio curto e sua arrogância juvenil se tornou um imã de brigas e confusões que sempre acabavam com entrar em casa com alguns hematomas e receber boas broncas do pai. Seria um simples arruaceiro e brigão se não fosse um encontro inesperado Caroline Scott, a única filha de rico comerciante de ascendia na vida social e aristocrata. As qualidades, a personalidade e beleza de Caroline o instigam a mudar e se tornar uma "homem de qualidades".

Almejando um nível de vida melhor para si e sua amada, Edward ingressa na vida no mar como corsário a serviço da coroa inglêsa em situações conturbadas e conflituosas na velha Bristol. Ele só não imaginavam quanto a busca pelos seus sonhos lhe custariam.

Após um conflito nas propriedades do pai que terminaram com o ódio de seu pai, as lágrimas de sua mãe e a marca em seu rosto deixada pelo golpe de um homem que usava um estranho anel, ver-se acordando desorientado em alto mar abordo do Emperor.

Nada pertuba mais a moral de um homem que o grito de um canhão.
Depois de aprender as obrigações e as necessidades básicas para trabalhar em  um návio, é golpeado pelo destino que o faz ter que escolher entre convinuar com a vidade de corsário ou levantar a bandeira da pirataria. E é ai que a aventura realmente começa, a batalha eterna entre Assassinos e Templários, a buscar por artefatos antigos de poder, fortunas escondidads, mortes e lugares históricos.

O momento de maior tensão é a abordagem, demônios sangue nos olhos e dedos nervosos.
Agora farei algumas breves considerações sobre o livro em si.

Belíssimo acabamento editorial, os detalhes em alto relevo e reluzentes criam um efeito quase 3D na capa. A fonte escolhida lembra uma máquina datilográfica bem antiga. Até agora a apresentação está ótima e a história ainda é um mistério.

Texto incrível até aqui, linguagem rica em termos e vocabulário, a fluidez da narrativa em primeira pessoa mergulha a gente mesmo na história. O primeiro da série que leio no formato de diário, muito bom conferiu a obra um ponto forte e inovador.

Sendo franco, o jogo tem gráfico incríveis mais a imaginação boa mesmo fica com o livro. Ao contrário dos títulos anteriores, Oliver Bowden conseguiu uma narrativa que prende o leitor com informações, sentimento, dados históricos e o melhor de tudo, a boa e velha malandragem dos bucaneiros está muito presente no livro, dando a real ideia de que é preciso mais que uma faca, toca, tatuagens, botas é cicatrizes para ser um rufião dos mares. Ah, uma coisa sobre esses patifes de dentes amarelos, quando numa briga se você chama alguém de "bastado gordo". Ele entende!

É o primeiro livro da série que realmente está recheado de ação e espectativas do começo ao fim. Outros livros da série devo dizer, considero-os muito "lentos". Uma coisa que senti falta e seria muito útil seria os mapas da hitória no livro, coisa que aparece nos primeiros livros da série e aqui foi deixado de lado, onde justamente mais seria proveitoso.

Mas, apesar do pontos fortes, da ação e das inovações de Bowden é um livro que falha em seus desdobramentos, não sendo injusto com o livro nem os leitores (e olha que também finalizei o jogo) é um livro "bomzinho", razoável. Não posso dizer que recomendo à todos, mas à qualquer um fã de histórias no mar, Piratas do Caribe, batalhas navais e é claro, aos fãs do game, é indicadíssimo!

Boa leitura!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos sua visita. Confira outros posts sobre este assunto. Deixe aqui o seu comentário, crítica, sugestão. Curta o Um Fílosofo na Web no Facebook e siga no Twitter ou Instagram. Obrigado!

: PARCEIROS :

Grupo Editorial Autêntica

Editora Novo Conceito

Seguidores