Papos sobre literatura, séries, cinema e mais.

quarta-feira, 28 de maio de 2014

Resenha - O Símbolo Perdido, Dan Brown

É sem dúvida um dos melhores romances policiais do início do século. Igualou-se a primeira aventura de Robert Langdon em Anjos & Demônios, o que de fato já é bem melhor que O Código Da Vinci (que deve sua fama mais ao fato de sua inclusão no Index que por próprio mérito literário, foi mal Dan!).

Ênfase para a arte da capa, detalhes em relevo (obs: a capa dura está muito em conta) com um show de símbolos e elementos que fazem referência a trama sem estragar as surpresas que esperam o leitor.

Lembre-se: O segredo é saber como morrer.
Depois de sobreviver à um Big Bang no Vaticano e uma alucinate caçada humana pelas ruas de París, o expecialista em símbolos Robert Langdon se vê em uma nova e inacreditável aventura. Dessa vez em solo americano, Lagndon terá que desvendar enigmas no coração político dos Estados Unidos. As entranhas de Washington se tornarão palco de uma jornada que desafiará os agentes da força tática da CIA e a imaginação dos leitores numa corrida contra o tempo com direito a revelações de mistérios ocultos em obras de arte, armamento e equimapentos high-tech e uma boa dose de curiossidades sobre personalidades, fatos e lugares históricos.

Está enterrado em algum lugar. E essa noite ele irá encontrá-lo para mim

A vez da maçonaria


Símbolo da francomaçonaria.
Tendo nos livros anteriores mencionado a Maçonaria em diversas passagens e citando algumas (interessantes) curiosidades dessa que deve ser talvez a mais antiga, influente e ativa "sociedade secreta" no nosso tempo. Porém, Maçonaria, forma reduzida e usual de se referir à francomaçonaria, é uma sociedade discreta e por discreta, entende-se que se trata de ação reservada e que interessa exclusvamente àqueles que dela participam, o que por esse e outros motivos sempre sofreu preconceito e suspeitas (grande parte pelo mundo cristão). De carácter universal, cujos membros cultivam o aclassismo, humanidade, os princípios da liberdade, democracia, igualdade, fraternidade e aperfeiçoamento intelectual, sendo assim uma associação iniciática e filosófica com ações muitas vezes filantrópicas e acadêmicas.


Sobre isso o autor bate de frente, pois o senso (ignorante) popular a despeito da maçonaria é que se trata de uma ordem de homens conspiradores que sengundo fudamentalistas radicais cristãos, estão vinculados ao satanismo e rituais macabros. A maçonaria é um doutrinação religiosa muito semelhante ao Deísmo propagando pelos filósofos iluministas durante a Revolução francesa. Parafreseando Langdon "a má compreensão dos símbolos de uma cultura é uma fonte comum de preconceito".

 E os seus alunos não acham perturbador o fato de os maçons meditarem em meio a caveiras e foices? — perguntou Sato.

— Não mais perturbador do que cristãos rezando aos pés de um homem pregado na cruz.  respondeu Langdon.

Uma nova ciência


Na obra a noética busca o potencial não aproveitado da mente humana. Uma ultraconciência cósmica. 
Como no primeiro romance, os estudos e as informações acerca da antimatéria eram um dos pontos fortes que prendiam o leitor e provocava reflexões sobre suas implicações, em O Símbolo Perdido a novidade é a noética (do grego nous: mente) uma recente área de pesquisa que estuda os fenômenos subjetivos da consciência, da mente, do espírito e da vida a partir do ponto de vista do que é descrito pelo autor como a fusão entre filosofia e física. Como conceito filosófico, em linhas gerais define a dimensão espiritual do homem e suas atribuições no mundo físico.

A boa e velha receita


Mal-akh em detalhes.
Como eu seu romance inaugural, Dan Brow insere seu involuntário herói por meio de um telefonema em um colossal edifício, onde se depara com uma cena de arrepiar os cabelos. Num jogo de gato e rato com um vilão nada convencional (coisa que Dan Brown é mestre em criar) e um pique-esconde com autoridades federais auxiliado por uma bela e jovem mocinha (que só mesmo em livros) deve desvendar enigmas e escapar de armadilhas que surgem a todo tempo em uma trama envolvente e dinâmica.

Um convite para vocês, sigam o Um Filósofo na Web e deixem suas opiniões, críticas e sugestões. Até a próxima!
Dados da Obra
Título: O Símbolo Perdido (The Lost Symbol)
Autor: Dan Brown
N.d.P: 489
Editora: Sextante
Ano: 2009

Recomendo à todos!

Extra

Para os que gostam de símbolos e sociedade secretas, aqui tem um joguinho especial. No site oficial do livro você pode testar seus conhecimentos como simbologista, encare esse desafio mas cuidado, só pode errar até três vezes.


Clique aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos sua visita. Confira outros posts sobre este assunto. Deixe aqui o seu comentário, crítica, sugestão. Curta o Um Fílosofo na Web no Facebook e siga no Twitter ou Instagram. Obrigado!

: PARCEIROS :

Grupo Editorial Autêntica

Editora Novo Conceito

Seguidores