Papos sobre literatura, séries, cinema e mais.

terça-feira, 20 de dezembro de 2016

Moana - Veredito

A última produção da Disney desse ano vem fazendo barulho no céu, na terra e no mar. Moana

O filme ainda não estreou nos cinema brasileiros, mas tive a oportunidade de conferir em primeira mão numa sessão prévia no fim de semana (19). E posso adiantar que será o filme mais assistido em janeiro nos cinema tupiniquins.


Muito elogiado pela crítica, Maona: Um Mar de Aventuras é o 56º filme da Walt Disney Animation Studios. Moana já arrecadou mais de 240 milhões de dólares em todo o mundo. Estreará 5 de janeiro de 2017 no Brasil. O filme é estrelado pela novata Auli'i Cravalho como Moana e Dwayne Johnson como Maui. Dirigido por John Musker e Ron Clements, com trilha sonora instrumental de Mark Mancina e canções do compositor da Broadway, Lin-Manuel Miranda, Mancina e do músico Opetaia Foa'i. Resumindo o filme sem dar grandes detalhes. O filme conta a história de Moana, a filha única do chefe de uma tribo polinésia, escolhida para reunir uma relíquia mística, um semi-deus e uma deusa.

A Disney havia dito que em 2016 lançaria uma nova princesa para seus estúdios (e para o mercado), e não poderia ter escolhido uma melhor. Moana de Motunui é a primeira princesa de pele negra e sem floreios e apelos para príncipes escovados a lá metrossexuais. Com uma personalidade forte e temperamento amigável a personagem é cativante sem ser digna de pena. Nesta história não tem maldições e nem castelos, o que tem de sobra é aventura com musicais breves e bem pontuados que não entendiam o espectador, ao contrário, antes de acabar o filme você vai estar cantarolando "welcome, welcome!".


O filme tem uma evolução gradual dos seus personagens e indiretas contra o próprio Estúdio (Disney) que poucos serão capazes de perceber, como quando Maui dá uma definição geral de princesa "filha de alguém importante (rei ou chefe), sem destreza e com um bichinho de estimação". Ainda assim o filme corrigiu boa parte dos clichês de tramas nesse mesmo seguimento, que não direi aqui para não estragar a surpresa. Aliás os acertos nesse filme não foram poucos, a crítica ecológica e ambiental como plano de fundo é claramente um reflexo dos apelos de comunidades humanas espalhadas pelo globo que precisam de um ecossistema sem poluição e gerido de forma sustentável. 

Em suma o filme impressiona pela composição musical, animação e vividez da dublagem. É um filme para crianças que todo adulto deve assistir, o humor bem dosado, revelações e reviravoltas da trama são de arrancas risos e espanto. O roteiro inteligente e bem construído apresenta a cultura da tribo polinésia sem esquecer das tatuagens, o artesanato e nem mesmo o Haka ficou de fora. Moana é o tipo de filme que você pode assistir com qualquer pessoa, desde que ela não seja um demônio de larva incandescente ou um crustáceo gigante.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos sua visita. Confira outros posts sobre este assunto. Deixe aqui o seu comentário, crítica, sugestão. Curta o Um Fílosofo na Web no Facebook e siga no Twitter ou Instagram. Obrigado!

: PARCEIROS :

Grupo Editorial Autêntica

Editora Novo Conceito

Seguidores