Papos sobre literatura, séries, cinema e mais.

domingo, 5 de junho de 2016

Warcraft - Veredito

A crítica que a Crítica não assume. A mais incrível adaptação de um game para as telonas até agora.

Esse artigo não contém spoiler do jogo, do livro ou do filme. Pode ler tranquilamente. ^^

O filme está sendo injustamente trucidado por uma legião de críticos que parecem não reconhecer um único acerto por parte do diretor Duncan Jones e do co-roteirista Charles Leavitt. Vamos começar a analise a parti da sinopse. Warcraft é um filme baseado no universo do game World of Warcraft (atualmente o segundo jogo mais jogado no mundo), acompanha o conflito gerado pelo primeiro contato entre orcs e humanos, mostrando os dois lados da história. De um lado está Anduin Lothar (Travis Fimmel), o personagem principal da Aliança, que sacrificou tudo para manter salvo o povo do reino de Azeroth, e do outro lado está Durotan (Toby Kebbel), um dos principais personagens da Horda, nobre chefe do clã Frostwolf (Lobos de Gelo), que batalha para salvar seu povo e sua família da extinção. O filme tem 152 min duração (contando com os créditos).


A adaptação do mundo de Warcraft está inquestionavelmente bem feita, a proporção dos orcs, as caricaturadas armas e personagens além dos aspectos dos reinos e exércitos está maravilhosa. O filme é um show de efeitos visuais em cores vivas sem parecer uma animação infantil, os efeitos especiais em detalhes e acontecimentos, não faz feio quando o foco da cena está próximo ou muito distante. A atuação do elenco também está fantástica. O roteiro tem momentos épicos para todo bom fã do game e jogadores de RPG, fazendo sua pontinha para agradar não apenas os fãs do WoW (como também é conhecido o jogo), mas também para as pessoas que estão tendo esse primeiro contato com esse universo high fantasy, os diálogos e toques de humor são bem pontuados e somam-se a isso a trilha sonora que bate encima para acentuar cada acontecimento da trama, que diga-se de passagem é surpreendente com momentos decisivos e reviravoltas inesperadas.


Apesar dessa enxurrada de acertos o resultado final falhou em se apresentar, pois, os eventos parecem acontecerem muito rápidos e os personagens de destaque são praticamente cuspidos na trama. O que parece ter sido uma ação por parte de produtores do projeto e não da direção ou do roteiro, pois o próprio Duncan Jones disse que teve que cortar mais de 42 minutos do filme, tempo esse que parece estar fazendo falta para que permitisse que os personagens fosse apresentados mais claramente e melhor explorados no que diz respeito a personalidade e origem dos mesmos. Para um filme tão aguardado quanto esse, não faria mal uma película de 2h:40min ou até mesmo 3hs de filme.

Veredito final

Vale muito a pena conferir o Warcraft nos cinemas e se deslumbrar com os esfeitos especiais e sonoros em alta definição. O filme deve faturar bem apesar da crítica ter cravado as presas nele. Não seria muita presunçoso dizer que é a melhor adaptação de games para a telona até o momento, mas temos que esperar pelo Assassins'S Creed, se o filme também for muito bem, podemos dizer que 2016 marca uma nova era das adaptações dos games ao cinema. Numa escala de 0 à 10, o filme merece folgadamente 8.

Encerramos esse post com uma comparativo visual da adaptação do jogo para o filme. Contemplem!



E você humano (ou orc), o que você achou do filme? Já jogou WoW? De que lado você está? Qual seu exército favorito?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos sua visita. Confira outros posts sobre este assunto. Deixe aqui o seu comentário, crítica, sugestão. Curta o Um Fílosofo na Web no Facebook e siga no Twitter ou Instagram. Obrigado!

: PARCEIROS :

Grupo Editorial Autêntica

Editora Novo Conceito

Seguidores