Papos sobre literatura, séries, cinema e mais.

segunda-feira, 22 de junho de 2015

Resenha - Grey, E. L. James

Há alguns dias foi lançado no mercado literário de língua inglesa, Grey, o mais novo livro de E. L. James. A obra é uma "versão" do primeiro livro, Cinquenta Tons de Cinza, que vendeu milhões de exemplares no mundo todo e chegou a virar filme ano passado. Mas e quanto a Grey, o que esperar deste livro?



Na sexta-feira passada (19), adquiri uma versão do livro em ebook (inglês) para ler no Kindle, terminei de ler ontem a tarde e aqui está a resenha (sem spoiler) e análise de Grey.

Dizer que o livro é redundante seria um tanto óbvio, mas a verdade é que o livro é super mega hiper repetitivo e decepcionante. Se se tratasse apenas de todas as falas do primeiro título estarem de volta eu entenderia, mas até os pensamentos de Christian Grey são idênticos aos de Anastasia, as vezes apenas mudando apenas a ordem das palavras e alguns sinônimos.

A Mente de Grey


Se alguém esperava algum tipo de pico sexual literário vai mesmo é broxar com os pensamentos e as poucas passagens que descrevem os sentimentos do personagem. Ao contrário do Christian que conquistou um status de ícones sexual na trilogia, o Christian de Grey é muito afeminado, quase fica subentendido que o personagem aprecia as práticas de dominação por não encontrar um parceiro e "castiga" mulheres para se sentir bem ou superior.

Em novo livro, Grey está inseguro se é heterossexual.


Outras opiniões

Procurei conversar com alguns brasileiros que moram em Londres e até com algumas americanas via Twitter, sobre o que acharam do novo livro. As opiniões quase que unanimamente convergiam para respostas como: "a James foi muito desleixada.", "a autora foi muito preguiçosa, nem teve o trabalho de tentar pensar como homem." ou "decepção total, o livro tá um lixo!".

Pesquisando no Twitter encontrei outras centenas de opiniões muito parecidas sobre o desapontamento dos leitores, sobretudo das leitoras, que esperavam algumas revelações fascinante ao invés de uma história vazia e sem novidades agradáveis.

Números


Apesar de o livro ser um convite a decepção e um verdadeiro assassinato da imagem dos personagens originais, está vendendo bem. Grey já bateu o número de 1 milhão de cópias vendidas em quatro dias no mundo inglês. Uma remessa de 2 milhões será dividida semana quem vem entre Estados Unidos e Reino Unido.

Opinião Pessoal


É de se esperar que o livro tenha uma venda mais do que razoável (para padrões mundiais). Contudo, muitas pessoas estão altamente desapontadas com o texto, a narrativa repetitiva e vaga que não prende a leitura. Chego a pensar que muitas pessoas estão comprando apenas por não terem o costume de conferir blogs e sites literários, pois esses estão deixando escancaradamente claro que Grey é um livro que não vale a pena, seria como comprar Harry Potter na visão de Rony Weasley, sem perigos, sem inteligência, sem atrativos, nada.

Por fim uma pergunta. Vale mesmo a pena pagar para ler um livro que você já leu, sabe o começo, o meio e o fim e que provavelmente você talvez até já o tenha? 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos sua visita. Confira outros posts sobre este assunto. Deixe aqui o seu comentário, crítica, sugestão. Curta o Um Fílosofo na Web no Facebook e siga no Twitter ou Instagram. Obrigado!

: PARCEIROS :

Grupo Editorial Autêntica

Editora Novo Conceito

Seguidores