Papos sobre literatura, séries, cinema e mais.

terça-feira, 22 de julho de 2014

Resenha - Baladas para violão de cinco cordas, Leo Prudêncio


Lançado no início dessa semana pela editora PenaLux, Baladas Para Violão de Cinco Cordas é a primeira obra de Léo Prudêncio.

O acabamento editorial do livro é impecável, os detalhes das páginas, fontes e ilustrações conferem a obra uma personalidade autêntica, qualidade que não fica atrás do seu conteúdo.
Baladas é composto por uma coleção de dezenove poemas (sendo 9 delas no lado A e 8 no lado B) que trazem um profunda reflexão sobre alguns aspectos de nossa existência cotidiana. O autor tem sacadas filosóficas muito boas, fazendo ligeiras referências à alguns pensadores como Sócrates, Descartes, Nietzsche, Sartre e outros, horas também mandando alguns se fuderem (riso)! Isso mostra a erudição do poeta sem que para a apreciação de seus versos exija do leitor algum curso básico de filosofia.
Outro elemento impossível de ser ignorado são os poemas espaciais e o uso da criatividade cobrada do poeta ao próprio leitor, algum momento pedido inclusive que o próprio complete o poema convidado assim para que aquele que se sintoniza no Baladas seja mais que um simples espectador, um mero ouvinte. Se torna também músico!

Com um agradável repertório que traz de volta as rajadas musicais de lendas do rock como Jimi Hendrix, George Harrison, Beatles, Nirvana e Lennon podemos sentir uma crítica do autor aos músicos contemporâneos e suas tendências, onde antes havia sentimentos e razão embalados em prazerosas melodias de guitarra agora se encontram letras sem significados e ritmos ridículos propagados por uma mídia vazia. O que por vezes me faz pensar que a Morte deve ter bom gosto pra música.


Para aqueles que fizerem mais do que um drift pelos versos e arranjos gráficos desse poeta, chegarão a concluir que Léo Prudêncio tocou em sua vitrola um LP que mescla razão e sentimentos, pois seu texto não é um simples delírio epifânico de emoções, porém, tão pouco é um concerto acadêmico de terminologias. O poeta aqui consegui afinar uma delicioso, reflexiva e delirante balada que provoca uma atitude critica aqueles que o leem. Baladas para violão de cinco cordas não é tipo de livro que se lê em um momento, uma hora ou duas, é preciso um dia inteiro pra aproveitar sua sonoridade, sentir suas provocações ecoarem em nossa mente e deixar que os pensamentos sejam ao mesmo tempo tão hipnóticos e desinteressados como as ondas do mar.

Depois de ler esse livro, o li novamente ouvindo as músicas e cantores citados, e isso só me deixou mais desejoso de ouvir um Vol. 2!

Li e recomendo o Baladas para violão de cinco cordas.
(ouvindo Belchior, Alucinação)

2 comentários:

  1. Mto grato pelas palavras! O vol.2 ainda está em andamento...
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De nada meu caro. Obrigado você pelo comentário.
      Fico na espera do Vol. 2
      Abraço!

      Excluir

Agradecemos sua visita. Confira outros posts sobre este assunto. Deixe aqui o seu comentário, crítica, sugestão. Curta o Um Fílosofo na Web no Facebook e siga no Twitter ou Instagram. Obrigado!

: PARCEIROS :

Grupo Editorial Autêntica

Editora Novo Conceito

Seguidores