Papos sobre literatura, séries, cinema e mais.

quinta-feira, 19 de julho de 2012

Juramento da Filosofia


Embora algumas profissões tenham uma compromisso de fidelidade com o dever maior que outras, todas tem algum tipo de juramento. O que é isso e pra que serve? Bom segundo o Dicionário Aurélio: Juramento, [Do lat. tard. juramentu.] Substantivo masculino. 1. Ato de jurar; jura. 2. Afirmação ou promessa solene, em que se toma por testemunha uma coisa que se tem como sagrada. Ex: juramento de sangue, juramento nacional, juramento hipocrático.

O juramento firma um pacto entre o individuo e o dever à ser cumprido, o que cada vez mais me parece necessário em dias em que os valores e os costumes se perdem juntos com a ética e a civilidade.

A filosofia, ao longo das eras sofria influência de entidades históricas e movimentos revolucionários, seu juramento modificou-se da era de Sócrates até a década de 90.  Segue-se aqui alguns juramentos coletados.

Antiguidade – Período Socrático

Juro prontamente defender e espalhar o ócio pelo labore (labore é um referencial ao ato de trabalho intelectual, daí seu derivado laboratório),
a mente será mais forte que o corpo, a ideia mais longa que a vida.
Serei bom e justo para que os deuses sempre me protejam,
lutarei com as palavras como luto com a espada.
Usarei a razão e o conhecimento como o elmo e o escudo.
Sou filho de Atena, esse é meu juramento.

Idade Média – Influência da Igreja Romana

Comprometo-me nesse juramento, respeitar e seguir os sagrados ensinamentos
da Santa Igreja e as ordens de vossa santidade o Papa.
A Fé guiará minha razão para que eu nunca me perca,
converter os infiéis através do conhecimento e da palavra.
Deus será meu auxilio e sua casa minha fortaleza,
dessa forma combaterei a ignorância e a heresia, Amém. (Após o juramento fazer o sinal da santíssima trindade, mesmo para um juramento filosófico, se assemelha muito à uma oração).

Idade Moderna – Aflorar das Ciências

“O JURAMENTO DE DESCARTES”
O filósofo René Descartes (1596-1650) estudou no Colégio Jesuíta de “La Fleche”, dos 10 aos 18 anos [1606-1614], e graduou-se em Direito em Poitiers [1614-1616]. Veja abaixo suas considerações. [fonte: Os Pensadores – René Descartes].

“Eu estava num dos mais célebres colégios da Europa, onde pensava que deveriam existir homens sábios…” “Porém, assim que terminei todo esse curso de estudos, ao fim do qual costuma-se ser recebido na fileira dos doutores, mudei inteiramente de opinião”. As “humanidades”, não serviam verdadeiramente aos homens. A seguir, uma ficção literária com conteúdos históricos e filosóficos: Enquanto o digno mestre pronunciava o tradicional juramento, na mente do neófito [em negrito], outro juramento ecoava… Juro solenemente [Juro em parte], respeitar as regras do bom costume [bom pra vocês], com disciplina [disciplina não é submissão], respeito aos mestres [se me respeitarem também], que me instruirão nas verdades …[descobrirei as minhas próprias verdades], e na ciência canônica [duvidarei de tudo primeiro], na tradição antiga [ E a nova? ], nas sagradas escrituras [metafisicamente sim], orando e orando [meditando e refletindo], com lealdade à Igreja Romana [sou leal à “res cogitan”, meus pensamentos], abominando as heresias …[ sem antes entender sua práxis, jamais!], contribuindo para a paz, a tranqüilidade e a concórdia …[bom senso, bom senso e bom senso], reconhecendo toda a autoridade do Reitor…[Vossa Alteza ou Sua Santidade??], como Neófito [sei, vosso pajem], neste Colegium Ilustre…[meio embolorado], em seu cursus honorum [futuro desempregado erudito], exercitando a lógica…[racional e metódica, sim!], conhecendo os princípios de Aristóteles [prefiro Pitágoras]. Juro também: Honrar a moral de meus antepassados …[terei a minha “moral provisória” até descobrir a verdadeira], sendo tolerante [de novo bom senso], e amável com todos. Assim que Deus [res infinita], que tudo pode e tudo vê [inextrincável], lhe abençoe para que sejais sempre, astuto como uma serpente [duvidarei até mesmo da dúvida], e puro como uma pomba * [voando nos altos rincões do pensamento], e saia daqui formado …[farei tudo para não me deformarem], cidadão do mundo e cidadão celeste [pessoas úteis...lógico]. Amém e Amém!! [Vamos ver!]

Idade Contemporânea – 1950

Durante esse período, as instituições resolveram produzir uma juramento particular visando a realidade atual e social de seu país ou estado, aqui temos alguns exemplos:

Universidade Federal do Maranhão


Juro, no exercício do magistério, assim como em qualquer outra atividade
filosófica, desenvolver o espírito crítico em busca da verdade, promover o homem como
unidade integral, o bem comum, a justiça e liberdade.

Faculdade Phenix de Ciências Humanas e Sociais do Brasil

Prometo cumprir com lealdade a tarefa da qual estou incumbido como filósofo, rompendo o recinto encantado da consciência, valorizando o espirito reflexivo, criativo e sistemático sobre o sereno destino do homem e do mundo. Prometo respeitar as regas do bom costume com disciplina e honradez, aos mestres que me instruíram nas verdades e na ciência filosófica. Prometo, exercer minha profissão fiel à luz do preceito ético e moral. dar de mim o melhor; a inteligência, a honra e a fé para elevar a criatura humana. Construir a grandeza do Brasil e buscas a união dos homens e dos povos voltados sempre para os ideias maiores de justiça e paz, que se fazem de respeito e retidão ao próximo. Eu assim, prometo.

Faculdade de Oxford (Inglaterra)

Repletos de indagações diante de um mundo ao mesmo tempo maravilhoso e complexo, que a filosofia, desprovida de qualquer caráter messiânico, seja um constante questionar, uma incessante busca por verdades não-absolutas, um compromisso de usar o saber em proveito do homem – caminhando sempre com a originalidade dos antigos, a racionalidade dos modernos e os questionamentos dos contemporâneos. A filosofia começa no assombro, no maravilhar-se. Que nos encantemos então no dia-a-dia, cada vez mais, para que possamos discutir, argumentar e debater com coerência. E que compartilhemos desta busca pela verdade com os desconhecidos, os conhecidos, e especialmente com nossos futuros pupilos.

OBS:

Quando não há formalmente um juramento em alguns instituições de ensinos, os coordenadores do curso apena para o juramento nacional de graduados que honestamente me parece muito fraco e é uma mera alusão do período da ditadura nesse país. Se fosse o meu caso quando me formar, lamento caros mestres, mas não ouvirão da minha boca uma única palavra, não sou o cara mais patriota que se possa encontrar. Mas como respeitos algumas tradições vou, até lá, providenciar um juramento que me agrade ou que seja fácil de lembrar (e cumprir).

Juramento provisório (aceito sugestões)

Prometo, em prol da verdade,
Cultivar e buscar a sabedoria rompendo limitações,
Através de um pensar crítico e um agir transformador,
Que visem promover integralmente a pessoa humana,
Nas suas dimensões individuais, sociais e transcendentes.

2 comentários:

  1. olá,
    Gostaria de saber você tem o juramento de Oxford original?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Jane,
      Não, não tenho. Mas não deve ser difícil de encontrar em inglês.

      Excluir

Agradecemos sua visita. Confira outros posts sobre este assunto. Deixe aqui o seu comentário, crítica, sugestão. Curta o Um Fílosofo na Web no Facebook e siga no Twitter ou Instagram. Obrigado!

: PARCEIROS :

Grupo Editorial Autêntica

Editora Novo Conceito

Seguidores